Compartilhe:

O Presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Desembargador Rogério Medeiros Garcia de Lima, informou nessa segunda-feira, 09 de setembro, em reunião realizada em São João del-Rei, que o pedido da Câmara Municipal de Barroso, protocolado pessoalmente junto ao magistrado no dia 15 de maio pelo Presidente Eduardo Pinto, não foi aprovado, decisão que manteve Barroso vinculado à Zona Eleitoral (ZE) de Prados. 

Mesmo depois de fazer uma visita ao Município no dia 13 de junho, oportunidade na qual conheceu as ótimas e adequadas dependências da Justiça Eleitoral, reconhecendo a injustiça de Barroso não ser sede de Cartório Eleitoral, o Desembargador acatou a decisão dos técnicos e da Resolução de 2017 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os Vereadores barrosenses destacam que não há nada contra o Município de Prados, mas, sim, contra a extinção da ZE de Barroso, informando que a Câmara, agora, estuda as medidas cabíveis para contestar a decisão do TSE na Justiça.

Após a decisão, a maioria dos vereadores barrosenses repercutiu o posicionamento do TRE-MG na reunião ordinária dessa segunda-feira. O Presidente Eduardo Pinto destacou que fez um alerta às autoridades estaduais sobre os riscos que a posição do TRE-MG traz a Barroso. “Olhei nos olhos deles e disse que a frieza dos números e dos mapas não traduz a realidade da nossa população. Os alertei que as consequências vão do iminente fechamento do Posto de Atendimento Eleitoral, passando pelo fato de já não termos mais um promotor titular, até a perda de um juiz titular e, quem sabe, o fechamento da Comarca. Nada mais nos garante isso”, disse o Presidente. 


DEMAIS VEREADORES TAMBÉM SE MANIFESTARAM

Leone Nascimento: “É realmente lamentável, tínhamos a esperança de voltarem atrás da decisão, uma vez que oferecemos aqui uma grande estrutura para o TRE. Passamos por um momento difícil em Barroso, com fechamento da Zona Eleitoral, fechamento do Senai. Isso pode acarretar prejuízos maiores ao Município”. 

Baldonedo Arthur Napoleão: “Foi uma decepção. Não é a primeira vez que vejo o Governo Federal, que fica com grande volume de recursos que a fábrica de cimento recolhe em impostos, dar ao povo uma resposta dessas. É um desencorajamento para o cidadão. Acredito que apenas tivemos uma derrota na batalha. Perdemos hoje, mas ainda vamos ganhar”.

Állan Campos: “É um dos maiores absurdos que o Município de Barroso passa por causa de uma decisão do Gilmar Mendes. Sinceramente não sei como dar uma resposta à população barrosense. Como vereador e cidadão, me senti afrontado. Ficamos todos nós esperançosos com a visita do Desembargador a Barroso e, hoje, recebemos esse tapa na cara”.

Anderson de Paula: “Essa notícia realmente nos traz revolta e nos mostra como Barroso está sendo tratado por essas autoridades. Nós precisamos gritar e mostrar que Barroso tem potencial. Perdemos um presídio, perdemos um promotor titular, perdemos uma zona eleitoral. Isso é preocupante, pois poderemos chegar a perder a Comarca de nosso Município. Temos que mostrar o poder da nossa cidade”. 

Informações Câmara Municipal de Barroso

3 Comentários

  1. Onde andam os deputados que aqui foram votados, fizeram algo para intervir neste caso….?
    Agora, mesmo que pese para a população, mas o espaço cedido ao cartório deve ser retirado também.
    O interesse de votos cabe ao Estado. O eleitor justificar voto nas eleições, fica mais barato que pagar passagem para Prados.

  2. Lamentável mas como tudo na vida, deixa uma lição.

    É preciso saber ganhar as causas da vida através de fundamentação. Alianças ou amizades nem sempre ditarão a vitória.
    O não já temos, precisamos ir atrás do sim ou da humilhação. E se for a humilhação a resposta, é necessário analisar os motivos da negativa e trabalha-los pra NUNCA mais errar. A população precisa aprender a andar por suas pernas, inclusive quem nos representa: quero dizer sobre parar de esperar boas atitudes ou favores de quem não está nem aí pra nós. Se há uma grande indústria e esta não colabora sistematicamente nas melhorias para a cidade, sejamos maduros: vamos parar de colocar nossa cidade na ingratidão. Marcas de produto são várias no mundo, não tenho que comprar de tal marca pq eu conheço e é daqui, posso adquirir a mais barata e dormir tranquilo por isso.
    Barroso não precisa ser a capital do cimento se não é ele que constrói nossa história. Dores de Campos por exemplo é uma cidade bem pequena, mas vai lá no horário de trabalho e procura uma pessoa a toa pra ver….. Raridade…. Estão indo atrás. Lá também tem uma indústria grande mas que não é a maior força econômica, pelo contrário, é o trabalho familiar das selarias. Que exemplo…. Eu parei de dar culpados a situações problema no município porque isso é ser infantil, e também ofereci desprezo a quem ofereceu o nada ou o pó às vezes. Isso é ser adulto.
    Eleições estado aí…. DECORE quem sempre vai ser lembrado na urna e quem NUNCA deve ser lembrado lá também.

  3. É triste essa decisão para Barroso, mas temos uns vereadores ai ,que nossa cidade merece. vamos ficar no prejuízo enquanto a população continuar trocando nossa cidade por telhas, areia ,cascalho, cimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *