Projeto recupera 51 hectares de mata atlântica com mudas de Barroso

Compartilhe:

As mudas produzidas no viveiro da LafargeHolcim em Barroso (MG) fizeram parte do projeto de recuperação das minas Felicíssimo e Ipanema, que forneciam calcário para a antiga fábrica da cimenteira em Sorocaba. Localizadas em Iperó, município a 125 quilômetros de São Paulo, as minas tiveram uma área recuperada de 51 hectares (equivalente a aproximadamente 51 campos de futebol), convertida em mata atlântica. A LafargeHolcim tem compromisso global de recuperar todas as áreas de extração ao fim de sua vida útil.

Em abril deste ano, no Fórum Programas de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) no Licenciamento de Mineração, a LafargeHolcim recebeu certificado de reconhecimento do Ibama pelas ações desenvolvidas nas minas de Ipanema e Felicíssimo. O projeto destacou-se pela qualidade das medidas de recuperação dos impactos ambientais decorrentes das atividades de extração mineral.

 As ações do projeto duraram 10 anos. Foi realizado o plantio de 91 mil mudas, das quais 31 mil foram produzidas em Barroso. O trabalho restabeleceu o equilíbrio ambiental, físico e químico da área em sua condição natural, hoje completamente reintegrada à Floresta Nacional de Ipanema. A LafargeHolcim ainda faz o monitoramento da área recuperada.

 A Floresta de Ipanema é um exemplo de reintegração de áreas de exploração mineral à sua condição original: desde 2008, após o fechamento das minas de Ipanema e Felicíssimo, a LafargeHolcim eliminou os impactos residuais do empreendimento no meio ambiente, tendo reflorestado a área, monitorado o retorno da fauna e realizado monitoramento da reabilitação da flora, das espécies invasoras e da qualidade das águas. Também foi construído um mirante, que permite a observação da fauna e da flora. Todo o processo seguiu um plano de fechamento aprovado pelo Ibama.

 

Floresta Nacional de Ipanema

Localizada a cerca de 125 quilômetros de São Paulo, em uma área entre o Cerrado e a Mata Atlântica, a Floresta Nacional de Ipanema abriga cerca de 69 espécies de mamíferos, 343 de aves, 27 de répteis, 36 de anfíbios e 37 de peixes, com destaques para o lobo-guará, a jaguatirica, a lontra, cachorro-do-mato, irara, tamanduá-bandeira, urubu-rei, águia-cinzenta, águia-pescadora, pavó, tucano-toco, sapo-ferreiro, urutu-cruzeiro, cascavel e teiú. Importante Unidade de Conservação Federal, a floresta é também um sítio arqueológico com registros anteriores à chegada dos colonizadores europeus, e riquezas minerais conhecidas desde o século XVI.

 Aberta ao público desde 1998, as atividades de visitação realizadas na floresta têm nos fatos históricos seu principal eixo temático, e normalmente são associadas às visitas aos monumentos do sítio histórico. Essas atividades são complementadas com percursos de caminhadas em trilhas naturais, sobretudo na Mata Atlântica, e de recreação na área de lazer, onde podem ser encontrados quiosques, playground e um circuito de arvorismo.

 

 Sobre a LafargeHolcim Brasil

A LafargeHolcim Brasil atua no país desde 1951 com um claro compromisso com a sustentabilidade, sendo uma das principais empresas do setor de materiais de construção, com foco em cimento, concreto e agregados. Seus produtos e soluções inovadores são utilizados em diferentes projetos de construção, de moradias populares às maiores e mais tecnicamente desafiadoras obras de infraestrutura do país. Com cerca de 1.600 funcionários, companhia tem um parque industrial distribuído em três das cinco regiões do país: Sudeste (SP, RJ, MG e ES), Nordeste (BA e PB) e Centro-Oeste (GO), que incluem 5 fábricas de cimento, 4 estações de moagem, 7 terminais e centros de distribuição, 3 unidades de agregados e 6 usinas de concreto. A empresa faz parte do Grupo LafargeHolcim, que é líder mundial da indústria de materiais de construção, com presença em 80 países e 80 mil empregados nos cinco continentes. Mais informações: lafargeholcim.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *