Compartilhe:

O título desta coluna transformou-se em um dito popular há décadas. De fato, ao que parece, nossos governantes não são muito “ligados” à realização de obras de infraestrutura. Analisando nossa cidade de Barroso, vemos que várias obras foram realizadas nos últimos 30 anos: escolas, creches, pontes, passarelas, dentre outras. Mas, se não me engano, a última grande obra de infraestrutura realizada pela administração pública municipal foi a canalização do Córrego da Avenida Carlos Alberto, o famoso “Canal”, que, diga-se, apesar de ter quase 35 anos, ainda não foi concluído (faltam corrimões, pontes com passagem para apenas um carro, mal cheiro que nunca termina, etc.). Não se desconhece a existência de obras pontuais ocorridas no município, como a construção de redes de esgoto e pluvial em alguns bairros da cidade. Mas, ao que parece, o problema é muito maior.

Somente neste ano de 2021, tivemos três grandes problemas relacionados a “obras debaixo da terra”: o desabamento de parte da pista da Rodoviária; a abertura de uma cratera na rua João Santiago (Rua dos Correios); e, a última, uma nova (ou velha, melhor dizendo) inundação da praça Salvador da Silva e Rua Daniel Pantaleão, em virtude das chuvas ocorridas no fim de setembro.

Os dois primeiros eventos demonstram que a rede pluvial da cidade precisa de urgente intervenção. São obras que não aparecem, mas que precisam ser realizadas com celeridade. A manutenção de ruas, de redes pluviais e esgotamento sanitário são medidas que devem ser feitas com recorrência, para que efeitos mais graves não ocorram, como foi o caso da Rodoviária e Rua dos Correios.

Mas, o problema havido na Praça Salvador da Silva e na Rua Daniel Pantaleão é o mais caótico. Há anos (ou décadas?) o problema se repete. Qualquer chuva mais forte inunda as ruas e a água invade pontos comerciais e residências. Existe um bueiro nas proximidades do Trailler que jorra água como se fosse um “chafariz”, dando mostras de que a rede pluvial existente não mais comporta o escoamento da água que chega naquele local.

A Praça Salvador da Silva, e suas imediações, é a parte mais baixa do centro da cidade, fazendo com que toda a água que vem da parte alta seja canalizada para aquele local. E está claro que a rede não mais suporta mais a pressão da água, haja vista inúmeras construções hoje havidas e a falta de áreas de drenagem em virtude de tais construções.
Ou seja, algo precisa ser feito para que referidos problemas sejam minorados. Os prejuízos dos comerciantes se avolumam. E o que vemos é que o Poder Público sempre comparece ao local para recolocar os briquetes… Mas o problema principal, que é a falta de escoamento subterrâneo, continua.

Como se não bastasse, no fim de semana do dia 26 de setembro, aconteceu o que já era previsto… A Avenida Prefeito Genésio Graçano foi tomada por lama após a chuva. Era um evento esperado… Os loteamentos e construções que estão sendo feitos naquela região, com grande movimentação de terra, acabam sendo “lavados” pela chuva. E quando isso ocorre, a água barrenta acaba concentrando-se na Avenida, mais precisamente nas proximidades do Clube Recreativo Barrosense, onde se forma uma verdadeira “lagoa”, que, após secar, deixa a Avenida imunda e intrafegável, seja pelo barro, seja pela poeira. E pior, o barro se avoluma no estacionamento do CRB e traz enormes prejuízos a seus usuários.

Não se está aqui atribuindo culpa aos loteadores. De modo algum. A discussão é trazida para que a sociedade, capitaneada pelo Poder Público municipal, possa tomar atitudes para que eventos como esse não ocorram mais. Ou, pelo menos, não se repitam com tanta frequência. Olhar para a infraestrutura é tão importante quanto fazer obras belas aos olhos da sociedade.

De fato, nossa cidade, a princípio, não precisa de novas escolas, Postos de Saúde ou creches. Os existentes, se bem geridos, são suficientes para atendimento à população. Mas as obras de infraestrutura são urgentes e, ainda que “não dêem voto”, são de extrema necessidade para a população barrosense.

Fica aqui uma dica: que as emendas parlamentares de nossos vereadores sejam realizadas também em benefício de obras sanitárias, que, afinal, tem relação direta com a saúde, já que água limpa, esgoto tratado e escoamento correto da rede pluvial são inegáveis predicados para o bem estar de todos os cidadãos.

Oxalá um dia nossos governantes possam pensar mais no hoje, no bem do povo, do que nas próximas eleições.

Por Gian Brandão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *