Compartilhe:

Certa feita, Cazuza vociferou:

“Não me convidaram pra esta festa pobre. Que os homens armaram pra me convencer…”

É assim que me sinto ao ver as manifestações populares nas ruas, com aglomerações, contra e a favor do Presidente Bolsonaro. Pelo menos, as manifestações contrárias, mostravam pessoas com máscaras. Mas, de todo modo, não dá para entender. A Pandemia está aí a todo vapor. Cada dia, milhares de pessoas contraem a doença. Pior, milhares morrem pela doença. No mundo todo, o isolamento social e a vacinação em massa são as medidas recomendadas. Mas, no Brasil, as pessoas se aglomeram para protestar. Aí eu fico com uma enorme dúvida: Não se pode aglomerar para festejar um aniversário… Não se pode aglomerar para um espetáculo musical, um jogo de futebol, ou em um bar… Mas é permitida a aglomeração para protestar a favor ou contra o Presidente? Muito difícil de entender.

Não estamos questionando a legitimidade de manifestações. Não estamos fazendo juízo de valor quanto aos motivos da manifestação. Mas, neste momento de “guerra”, precisamos nos unir. Direita e esquerda.
Liberais e Conservadores. Novos e idosos. Ou seja, todos num mesmo passo para sairmos dessa odiosa situação. Mas, preferimos quebrar as regras sanitárias para protestar, com manifestações claramente políticas e ideológicas. É, no mínimo, estranho se defender o lock down em algumas cidades, como Ribeirão Preto/SP, por exemplo, e se admitir que em outras próximas sejam realizadas manifestações com aglomeração de pessoas. Muito simples dizer que é necessário fechar comércio e bares, se vamos para rua sem máscara para protestar com centenas ou milhares de pessoas. Não podemos ir à missa, cultos, bares, casa de parentes, mas podemos ir para a rua protestar contra ou favor do Presidente. No mínimo, estranho.

Pobre Brasil.. Essa “festa brasileira”, realmente, deve ser só para alguns. É um despropósito fazer manifestações políticas com aglomerações neste momento, ainda que a “vacina” seja o pano de fundo. E, dessa vez, falo com “conhecimento de causa”. No fim do mês de abril fui acometido pela COVID. Não tenho cormobidades graves e ainda estou na casa dos quarenta… Mas eu sofri horrores. Vi a morte de perto, pelo menos em minha cabeça. Só quem sofreu com as consequências da COVID sabe quão avassalador é este vírus. Só quem não viu as consequências que esse vírus provoca é que não se preocupa com aglomerações, andar pelas ruas sem máscaras ou sair de casa sem necessidade. É uma sensação horrível. Uma dor insuportável. Uma febre que não passa. Mas muitos preferem se aglomerar e continuar não seguindo as
recomendações de saúde pública que são tão simples: lavar as mãos, usar máscaras e não se aglomerar. Não se preocupam consigo. Mas o pior, não se preocupam com os seus.

Enquanto isso, nosso Presidente usa máscara em cerimônia de posse de Chefe de Estado no Equador, mas nunca é visto com máscara no Brasil… Difícil cobrar dos brasileiros o seguimento das medidas sanitárias se nosso Chefe Maior não as segue. É um desalento para os de mínima inteligência.
Tomara que tenhamos dias melhores…

por Gian Brandão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *