Compartilhe:

Um morador de Juiz de Fora é o primeiro de Minas Gerais a ser diagnosticado com a variante indiana do coronavírus. O resultado do exame de sequenciamento genético dele foi confirmado ao G1 na noite dessa quinta-feira (27) pela Secretaria Municipal de Saúde.

Na segunda-feira (24), a Prefeitura havia divulgado que investigava a situação do paciente, do sexo masculino e de idade não divulgada. Ele esteve na Índia, testou positivo para a doença e permanece internado e isolado no Hospital Santa Casa de Misericórdia e deve ter alta médica nos próximos dias.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que foi notificada pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Estado de Minas Gerais (CIEVS) de que o resultado do sequenciamento genético do paciente testou positivo para a variante indiana do coronavírus. O exame foi realizado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).

PACIENTE

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o paciente chegou no Brasil por Guarulhos (SP) no final da noite do dia 18 de maio e se deslocou para o município de Juiz de Fora por meio de um veículo fretado pela empresa para a qual trabalha. O nome da mesma não foi informada.

“O passageiro estava nas exceções legais previstas pela Portaria 653/2021, expedida pela Casa Civil, Ministério da Justiça e Segurança Pública e Ministério da Saúde, para ingresso no Brasil e tendo passado pelo controle sanitário da Anvisa no Aeroporto de Guarulhos, apresentou teste RT-PCR negativo realizado dentro das 72h previstas pela portaria, além de Declaração de Saúde, não tendo reportado nenhum sintoma e tendo sido orientado a permanecer em quarentena”, explicou o órgão.

No dia 20 de maio, o paciente realizou um novo exame que deu positivo para a Covid-19 e, posteriormente, no dia 21 do mesmo mês, foi internado. Conforme a Anvisa, o teste foi realizado para cumprir protocolo interno da empresa dele.

“Ao ser informada do caso, a Anvisa imediatamente disparou alertas ao Cievs (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) nacional, Cievs estaduais de São Paulo e Minas Gerais, bem como à Secretaria Municipal de Saúde de Juiz de Fora, para que os contactantes em todo o trajeto e familiares pudessem ser colocados em monitoramento”, finalizou a Anvisa em nota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *