Projeto “Ballet para Princesas” promove acesso à cultura e inclusão social em Barroso

Compartilhe:

Meninas barrosenses de todas as idades e classes sociais descobriram nas aulas de Ballet do Espaço Mulher Bonita, uma fonte de diversão, aprendizado e oportunidade.

Criado há pouco mais de 2 anos pela massoterapeuta e esteticista, Marli Aparecida de Melo Silva, a Lica, o projeto, sob o lema inclusão e esperança,  surgiu com a missão de ajudar as crianças do município a encontrarem caminhos que possibilitem uma cidadania mais promissora, em especial para crianças e adolescentes de baixa renda.

Lica conta que a ideia surgiu quando ela estava à procura de um local maior para seu espaço  de estética, até que encontrou o endereço certo para promover também seus projetos de inclusão. Marli é vicentina, catequista e já trabalhou na comunidade da Praia por muitos anos.

“Aluguei o espaço e foram aparecendo outras coisas. Convidei uma professora de Ballet para aumentar o dinheiro e conseguir pagar o aluguel. Aí foram chegando às meninas carentes. Eu quero ajudar essas meninas, quero fazer um trabalho que as traga para a sociedade, para elas terem acesso a outras formas de cultura. Só que tem o outro lado, em que se precisa pagar as professoras. Não tenho condições de pagar apenas com a mensalidade das alunas” conta Lica.

Atualmente a escola conta com 17 alunas, contudo mais da metade das meninas, 10 no total, não pagam a mensalidade de R$ 60, por falta de condições. As aulas são ministradas pelas professoras Rafaela Moreira e Tayanne Kéture

BENEFÍCIOS

Quem vê os benefícios do Ballet é a empresária Mônica Maria Rodrigues Pereira, mãe da pequena Antônia Rodrigues, de 6 anos, que frequenta as aulas do Espaço Mulher Bonita.

“A Antônia já esteve em três escolas de Ballet aqui em Barroso. Eu acho o Ballet interessante porque é cultura e arte. Isso desenvolve qualquer criança e prepara qualquer pessoa para tudo. Desenvolve o intelecto. O Ballet trás a cultura do clássico, das grandes obras, das grandes histórias. Ter contato com grandes escritores como Shakespeare, na história de Romeu e Julieta, por exemplo. Fora que desenvolve coordenação motora, leveza” disse Mônica.

INCLUSÃO

A dona de casa, Larissa Vilela dos Santos, 25 anos, vê as aulas de dança do Ballet para Princesas como uma chance da filha Ana Luiza, de 8 anos, ter acesso a novas oportunidades. Ana é uma das alunas que não paga mensalidade.

“É um benefício que ela está tendo e acho importante porque o Ballet é muito bom para a criança evitar coisas ruins. Antes do Ballet ela tinha muitas dificuldades na escola e agora ela melhorou bastante” disse.

Já para a professora Thayanne Kethelin, 20 anos, o Ballet pode fazer a diferença na vida das meninas, assim com fez na dela, que estudou a dança dos 5 aos 17 anos.

“Não estava mais tendo contato com o Ballet porque não tinha tempo devido aos estudos. Até que um dia a Lica foi à minha casa e falou que estava precisando de uma professora e decidi aceitar. Começamos com poucas alunas até que foram aparecendo mais meninas, mas elas não tinham condições de pagar. Com isso, achamos importante dar esse paço para ajudar, porque quando eu fazia Ballet eu recebia muita ajuda” falou a professora.

ESTREIA NOS PALCOS

A primeira apresentação oficial do Ballet para Princesas acontecerá no dia 20 de dezembro no Teatro Professora Iracema Rocha, no antigo FAPI.

De acordo com Lica, os preparativos para o evento já estão em andamento. Contudo, devido aos altos custos para a preparação do local, rifas estão sendo vendidas para ajudar nos gastos. O valor da rifa é de R$ 2 reais e pode ser adquirida no Espaço Mulher Bonita.

ADOTE VOCÊ UMA BAILARINA

Para ajudar a manter o projeto em funcionamento, empresários, cidadãos barrosenses e demais interessados, podem auxiliar com a mensalidade das alunas ou contribuir com outros valores. Basta procurar as responsáveis pelo projeto na Rua Joaquim Meireles, 352 – Centro. Telefone para contato: (32) 8487-5258.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.