Compartilhe:

A maioria dos deputados federais (31 dos 53) de Minas Gerais votou pelo perdão das dívidas tributárias das igrejas, algo em torno R$ 1 bilhão, segundo cálculos presumidos.

Mês passado, praticamente os mesmos parlamentares mineiros que cravaram sim pela forçada isenção votaram não ao aumento salarial aos servidores públicos estaduais, municipais e federais até dezembro de 2021.

Das lideranças da região, votaram contra o perdão das dívidas das igrejas os deputados Aécio Neves (PSDB), Domingos Sávio (PSDB), Margarida Salomão (PT) e Reginaldo Lopes (PT). Dentre os favoráveis, estão Doutor Frederico (Patriota) e Lafayette de Andrada (Republicano).

No cômputo geral 345 deputados federais votaram pelo perdão da dívida, enquanto 125, 17 dos quais de MG, opuseram à proposta aprovada.

Pela regra, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem até sexta-feira (11) para sancionar o definido pelo Congresso Nacional – o Senado já havia votado sim pelo perdão. Ao menos pelos bastidores do Congresso, é certo que o mandatário deva chancelar a proposta.

Isso porque, segundo aliados da presidência, a bancada evangélica, quase toda ela seguidora de Bolsonaro, é uma das favorecidas com a medida que alivia as finanças de templos religiosos.

A emenda do perdão foi proposta pelo deputado David Soares (DEM-SP), filho do líder religioso R.R. Soares.

Na votação dos mineiros, Padre João, que é do PT, foi o único do partido a concordar com o perdão dos tributos. O PSL, legenda que elegeu Bolsonaro, também votou em massa pela isenção.

Saiba quem votou contra a proposta

Aécio Neves (PSDB), Aurea Carolina (Psol), Domingos Sávio (PSDB), Eduardo Barbosa (PSDB), Franco Cartafina (PP), Leonardo Monteiro (PT), Margarida Salomão (PT), Mário Heringer (PDT), Odair Cunha (PT), Patrus Ananias (PT), Paulo Guedes (PT), Reginaldo Lopes (PT), Rodrigo de Castro (PSDB), Rogério Corrêa (PT), Subtenente Gonzaga (PDT), Tiago Mitraud (Novo) e Wilson da Fetaemg (PSB).

Saiba quem votou favorável

Alê Silva (PSL), André Janones (Avante), Bilac Pinto (DEM), Charlles Evangelista (PSL), Delegado Marcelo Freitas (PSL), Diego Andrade (PSD), Dimas Fabiano (PP), Doutor Frederico (Patriota), Emidinho Madeira (PSB), Enéias Reis (PSL), Euclides Pettersen (PSC), Fábio Ramalho (MDB), Fred Costa (Patriota), Germano Abramo (Republicanos), Greyce Elias (Avante), Hercílio Coelho Diniz (MDB), Igor Timo (Pode), Júlio Delgado (PSB), Junio Amaral (PSL), Lafayette de Andrada (Republicano), Léo Motta (PSL), Lincoln Portela (PL), Luís Tibé (Avante), Marcelo Aro (PP), Mauro Lopes (MDB), Newton Cardoso Júnior (MDB), Padre João (PT), Pinheirinho (PP), Stefano Aguiar (PSD), Weliton Prado (Pros) e Zé Silva (Solidariedade).

Os ausentes

Não votaram por falta ou preferiram se abster à emenda: Eros Briondini (Pros), Lucas Gonzales (Novo), Misael Varella (PSD), Paulo Abi-Ackel (PSDB), Zé Vitor (PL)

 

Informações Notícias Gerais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *