Compartilhe:

Impostos, taxas e subsídios fazem com que o Brasil tenha a segunda conta de luz mais cara do mundo, de acordo com levantamento da Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) sobre uma lista com 30 países. Apenas os colombianos sofrem mais para pagar pela energia elétrica.

Cálculos da entidade indicam que os brasileiros já pagaram R$ 35,8 bilhões de impostos e subsídios na conta de luz somente nos primeiros três meses deste ano. Até o final de 2022, o montante deve chegar a R$ 144 bilhões. Em apenas cinco anos, o volume pago em taxas sobre a energia elétrica aumentou 47%.

A associação verificou ainda que cerca de 25% de todo orçamento familiar é gasto com energia – contando aqui a eletricidade, a gasolina e o uso em produtos e serviços.

O país poderia oferecer uma energia elétrica bem mais barata, segundo Victor iOcca, diretor de Energia Elétrica da Abrace, pois possui uma das matrizes energéticas mais variadas do mundo, contando com hidrelétrica, eólica, solar, nuclear e térmica. Mas os tributos acabam deixando a conta mais cara para todos.

“A energia em si é essencial para todos. Dificilmente alguém deixa de pagar pela conta de luz. Isso leva o setor a ser uma fácil forma de arrecadação. Em vez de termos políticas públicas para reduzir a conta, o país vem colocando cada vez mais custos na cobrança”, explica.

Segundo iOcca, um dos grandes pesos nessa conta é o subsídio para usinas na Amazônia e na região Sul do país, que utilizam combustíveis fósseis, como carvão natural. E os gastos com queima de combustíveis para a produção de energia deve continuar, já que o Ministério de Minas e Energia contratou novas termelétricas para 2022 – mesmo que os reservatórios estejam cheios. A previsão é de custos extras de R$ 39 bilhões em quatro anos.

Esse gasto deve ser embutido nos valores das tarifas. “Para o consumidor, não faz muito sentido pagar pelas térmicas com custo de R$ 1.600 o megawhatt-hora, sendo que a energia produzida pelas hidrelétricas custa R$ 300. O custo é seis vezes maior sem necessidade”, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.