Compartilhe:

Agora são 1.223 casos prováveis de dengue em Barroso. É o que mostra o último Boletim Epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (15) pela Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais (SES-MG).

De acordo com os números, Barroso, que na última atualização – dia 5 de fevereiro – antes do carnaval, 1.120 casos, agora tem 1.223, ou seja, 103 casos a mais em 10 dias.

Ainda com relação a doença que vem assolando a cidade, o Hospital Prefeito Macedo Couto faz uma divulgação de boletins com informações sobre a dengue. No último documento publicado em 8 de fevereiro, primeiro dia de carnaval na cidade, apenas uma pessoa estava internada.

Segundo a postagem, nenhuma morte pela doença também foi registrada no Hospital. Foram 80 atendimentos naquela quinta-feira, ou seja, há uma semana, e metade dos atendimentos era com sintomas de dengue.

Relatos de pacientes que estão procurando o Hospital para atendimento descrevem que as pessoas estão levando de 5 a 6 horas para serem atendidas. “Estou aqui desde às 8h da manhã e já é quase 13h e não fui atendido. Isso é um absurdo”, relata um dos pacientes ao barrosoemdia. Outras várias mensagens foram enviadas a reportagem.

Há também relatos de barrosenses que estão sendo atendidos em hospitais da região. São João del Rei tem 841 casos e Barbacena 418 casos de dengue. Prados tem 78 e Dores 118. Barroso continua sendo a cidade da região com o maior número de casos.

ESTADO

Até 15/2, Minas Gerais registrou 181.645 casos prováveis (casos notificados, exceto os descartados) de dengue. Desse total, 62.872 casos foram confirmados para a doença. Até o momento, há 18 óbitos confirmados por dengue no estado e 100 estão em investigação.

Em relação à febre Chikungunya, foram registrados 2686 casos prováveis da doença, dos quais 15.222 foram confirmados. Até o momento, um óbito foi confirmado por Chikungunya em Minas Gerais e 13 estão em investigação.

Quanto ao vírus Zika, até o momento, foram registrados 22 casos prováveis. Foi confirmado um caso da doença. Não há óbitos confirmados ou em investigação por Zika em Minas Gerais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *