Pedro Batata é a Cara de Barroso!

Na Rua São Joaquim, bairro Santa Maria, a o famoso endereço de número 173, que chama a atenção por sua fachada repleta de imagens, desenhos e mosaicos. Tal característica lhe confere uma identidade própria, que nada mais é do que o reflexo da personalidade e história de vida de seu proprietário, o barrosense Pedro Firmino Ladeira, mais conhecido como “Pedro Batata”.

Nascido em 20 de fevereiro de 1942, na cidade de Dores de Campos, Pedro é um dos quatro filhos de João Firmino Ladeira e Zulmira da Conceição. No ano de 1944, o casal decidiu mudar-se com a família para vizinha Barroso e assim, como muitos dos primeiros residentes da cidade, Batata enfrentou uma vida de muito trabalho e sacrifício.

Aos 7 anos de idade já ajudava a sustentar a casa, trabalhando na lavoura ao lado do pai e aos 10 em uma olaria.  Nos primeiros anos de mocidade, sua árdua rotina de labuta continuou, transitando nos serviços de entregador, padeiro e balconista. Nesse período tentou recuperar o tempo perdido e conseguiu aos 24 anos, formar-se no ginásio e concluir a 8ª série.

Já no ano de 2002, aos 60, Batata obteve a aposentadoria, o que para muitos significa o tão sonhado momento de esticar as pernas, recostar-se no sofá e descansar o resto de seus dias. Contudo, assim como em toda a sua jornada até então, Firmino não se contentou em ficar parado e passou a dedicar-se, de forma especial e única, a cuidar de seu lar.

IMG_2674

Foi a partir de 2007 que a casa, até então de arquitetura comum e decoração simples, tomou formas, cores e texturas que só poderiam nascer da mente de um artista. A inspiração não surgiu através de pinturas, muito menos de revistas de decoração, e sim da necessidade de cobrir uma das paredes da casa que apresentava um mofo.

Passeando pela cidade em sua mobilete, Batata tentava pensar em algo diferente para o concerto da parede, até que avistou em meio ao lixo, vários cacos de azulejo. Foi a partir daí que um pequeno detalhe decorativo em um canto da casa se estendeu para o chão, os bancos, a varanda, a laje, as janelas, o telhado, a calçada, o portão, e com isso, em pouco tempo uma casa totalmente nova e totalmente diferente surgiu.

E os trabalhos não param nunca! Pedro está sempre modificando sua obra, adicionando novos detalhes, desmanchando o antigo para dar vida ao novo. Seja em baixo de sol, chuva, no frio ou no calor, lá está ele dando asas a sua imaginação.

A casa não tem apenas a admiração de seu criador, mas também das pessoas que passam em frente ao local. Hospitaleiro, Firmino faz questão de abrir os portões de sua residência para visitantes, que ficam mais admirados ao descobrirem que tudo aquilo é fruto do trabalho de um único homem de 76 anos, que sem nenhuma ajuda de terceiros e formação profissional, conseguiu compor um trabalho de tamanha magnitude.

Tudo isso comprova não apenas criatividade, mais também persistência, esforço, dedicação e principalmente o amor e o zelo de um homem pelo teto que o protege.

Confira abaixo mais as fotos da casa