Número de casamentos religiosos diminuem em Barroso

“No ano passado fiquei profundamente assutado. Quando cheguei em Barroso, há 30 anos, realizávamos cerca de 100 a 120 casamentos por ano. No ano passado foram 18 casamentos”, declarou, no  Sermão do Descendimento da Cruz, o Pároco e Padre de Barroso Fábio José Damasceno. Foi ele quem realizou o Sermão da Sexta-Feira da Paixão na cidade vizinha de Dores de Campos. O Sermão de Barroso ficou a cargo do Padre Paulo, de Dores.

Será por quê? É a pergunta que o Padre fez na cidade vizinha. Segundo ele, ninguém vai perder tempo mais de casar com ninguém porque já se vive como marido e mulher no tempo de namoro. “O homem já tem tudo que ele gostaria de ter e a mulher já tem tudo o que gostaria de ter”, diz fazendo alusão aos jovens casais que ficam casados por pouco tempo. “Daqui a pouco nós não teremos mais jubileu de prata e nem jubileu de ouro de vida de casados”, declara durante o Sermão que durou cerca de duas horas e reuniu uma multidão nas ruas de Dores de Campos. Ele também chegou a abordar temas como as crianças e os celulares, drogas e juventude e traição via internet. Para assistir a alguns momentos do Sermão acesse o código abaixo:

CARTÓRIO

Assim como na igreja, o número de casamentos também teve redução considerável nos cartórios. Segundo dados da Escrevente Gláucia Alessandra Vargas, do Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais, em 1988, ano que Padre Fábio chegou a Barroso, aconteceram 142 casamentos no ano, como comprovam as folhas. Cerca de 30 anos depois, em 2017, foram 85 casamentos realizados no Cartório. Civil 71 e Civil e religioso 14. Uma redução em torno de 40% nos matrimônios na cidade. “Temos que levar em conta também que ano passado não tivemos o Casamento Comunitário, o que faz com que haja a redução”, explica Gláucia que ressalta que a situação financeira também é fator preponderante para a diminuição.

FINANCEIRAMENTE  

Olhando para o lado financeiro dos casamentos, ou seja, as empresas que vivem também dos matrimônios, os números também caíram nos últimos anos. Para o fotógrafo e empresário barrosense Leandro Cerqueira, da empresa barrosense Leandro Fotografias, os números já foram melhores. “Sempre que questionamos os clientes, eles alegam que precisam fazer um bom planejamento para casar. Daí acredito que essa redução tem muito a ver também com a questão financeira e essa crise existente hoje”, diz Leandro que em 2015 cobriu 53 casamentos, em 2016, 45 e no ano passado apenas 29. Isso levando em conta a cobertura de cidades vizinhas como São João del-Rei, Barbacena e Dores de Campos, por exemplo. “Vamos torcer para que este ano e os próximos possam melhorar novamente”, diz.

BODAS DE DIAMANTE

3040e543-c3b7-4739-b45b-7316f8dd344fNa contramão destes números, seja na igreja ou no cartório, e reforçando a união entre homem e mulher, está o casal Natalino, como é carinhosamente conhecido em Barroso. No dia 6 de outubro de 2018, Natalino Noé e Maria Eugênia vão comemorar 63 anos de casados. Moradores do Bairro Santa Maria, eles casaram em Tiradentes, na igreja de Santo Antônio, em 1956 e estão juntos até hoje. E qual o segredo para manter-se tanto tempo casados? Para Natalino é simples, basta ter muita paciência e amor.

“É ter paciência e levar a vida com muito amor. Este é o segredo”, revela Natalino que tem seis filhos, doze netos e dois bisnetos e já completou a tradicional e conhecida Bodas de Diamante, cada vez mais rara nos dias atuais.