Em nota, LafargeHolcim se manifesta sobre coprocessamento

Foto: Carol Reis

A LafargeHolcim, em resposta ao Barroso EM DIA, emitiu uma nota de esclarecimento a respeito da liberação da queima de resíduos industriais(coprocessamento), na Fábrica de Cimento da cidade.

A medida, discutida a algum tempo, vem gerando polemica entre a população, que questiona se a prática pode gerar danos ao meio ambiente e a saúde dos barrosenses. A tecnologia é considerada pela empresa como uma alternativa sustentável e ambientalmente correta para destinação de resíduos industriais e urbanos.

Confira abaixo a nota na íntegra

“A LafargeHolcim informa que o coprocessamento é uma solução segura, eficaz, correta, legalizada e validada em todo o mundo, há algumas décadas, para a utilização de alguns resíduos industriais e domésticos como combustíveis alternativos no processo de fabricação de cimento.

O forno de cimento tem condições altamente favoráveis para o coprocessamento, onde destaca-se as altas temperaturas, o tempo de exposição do material, o ambiente alcalino e a eliminação completa dos materiais sem geração de cinzas. Em função dessas condições favoráveis, a emissão gerada pelo uso destes combustíveis alternativos não é diferente da que é emitida na queima de combustível tradicional.

Dessa forma, este tipo de tecnologia não produz novos resíduos e contribui diretamente para a preservação de recursos naturais e redução de gases responsáveis pelo efeito estufa. Importante destacar que os materiais previstos para serem coprocessados na fábrica de Barroso são pneus picados e mistura de sólidos triturados (plástico, borracha, papel, estopas) misturados com materiais oleosos, que serão utilizados como combustível alternativo no forno, em substituição aos combustíveis tradicionais, como o coque de petróleo.

A LafargeHolcim recebeu recentemente a Licença de Instalação da Supram Zona da Mata (Superintendência Regional de Meio Ambiente). Trata-se, portanto, de uma tecnologia segura, regulamentada, certificada pelas autoridades e fiscalizada pelos órgãos ambientais (Federal, Estadual e Municipal), dentro dos mais rígidos padrões de segurança.

Antes de ser aceito na fábrica, cada fluxo de materiais e os geradores são avaliados pela Geocycle – empresa do Grupo LafargeHolcim responsável pela gestão dos resíduos –, pelas áreas de Saúde & Segurança e Meio Ambiente. Se estiverem dentro dos padrões definidos pelos órgãos ambientais, os resíduos passam por um procedimento de controle antes mesmo de serem entregues na fábrica, a fim de assegurar o cumprimento de especificações técnicas. Em seguida, são recebidos, armazenados e manuseados em uma instalação exclusiva, antes da sua utilização no processo de cimento. Toda essa operação é realizada sob o controle das autoridades, por meio de autorizações, procedimentos operacionais escritos e auditorias regulares.

Atualmente a LafargeHolcim adota com sucesso essa solução nas suas fábricas em Caaporã (PB), Cantagalo (RJ), Montes Claros (MG) e Pedro Leopoldo (MG). Ao diversificar a fonte de energia, a LafargeHolcim avança no modelo de negócio mais sustentável, que utiliza seus recursos de forma ambientalmente responsável, reduzindo a quantidade de combustíveis e matérias-primas utilizados e também as emissões de CO2, capacitando a empresa a se manter mais competitiva.

Para esclarecer dúvidas dos barrosenses, a empresa disponibiliza seus canais de comunicação – 32 3359-3200 (Portaria principal), 32 99912-2185 (WhatsApp) ou barroso@lafargeholcim.com (e-mail) – e também o Programa Portas Abertas, por meio do qual a comunidade pode agendar visitas para conhecer a fábrica.”