“O que Jesus diria?”

Compartilhe:

Em um dia como esse, há mais ou menos 2000 anos, as pessoas que viviam no Oriente Médio foram testemunhas e protagonistas de uma das maiores, senão a maior injustiça da história. Pouco menos de uma semana após ter sido recebido com júbilo pela população de Jerusalém, no dia que hoje é rememorado como o “Domingo de Ramos”, Jesus Cristo foi condenado à tortura e à morte em júri popular.

A mensagem de Jesus ameaçava os governantes porque questionava a hierarquia e propunha uma mudança radical na forma de se comunicar e entender o mundo. Na filosofia de Jesus tem importância o pobre e o oprimido e não o rico e o poderoso. No núcleo de seu evangelho encontramos o amor, a compaixão, a esperança, o perdão, a caridade… Na fé cristã não existe espaço para o ódio, a vingança e a violência.

Hoje, passados dois milênios, continuamos a ser uma sociedade injusta e violenta. O que diria Jesus aos que doam milhões para a reconstrução de Notre Dame e se esquecem da miséria em Moçambique?[foto acima] O que diria aos que vem nas armas o sinal de salvação? O que diria aos que louvam torturadores? O que diria ao Senador Major Olímpio que ontem celebrou o suicídio do ex-presidente peruano Alan García? O que diria aos que condecoram e honram policiais que matam outros seres humanos, bandidos ou não? O que diria aos que desprezam e humilham o seu irmão e irmã pela cor da pele, pela classe social ou pela orientação sexual?

A mensagem de Jesus é poderosa e deve servir de inspiração para todos aqueles que almejam viver em um mundo de paz e prosperidade compartilhada. Deve servir para todos que sonham com uma sociedade mais igualitária. Por último e mais importante, ela deve servir e ser praticada também e principalmente por aqueles que acreditam na transcendência de Cristo e que creem na sua volta.    

por Antônio Claret

Para acessar outros textos do autor, visite o blog  www.antonioclaret.com

 

Clique abaixo e ouça também o áudio do texto que foi exibido no programa Redação Globo, na Rádio Globo Barbacena, onde o colunista apresenta o quadro O Comentário da Semana! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *