Vossas Excrescências!

O mundo editorial jornalístico vive hoje a antítese da síndrome da página em branco, que outrora tanto assombrava colunistas que se viam na missão de preencher diariamente uma página em branco e vê-la publicada nos jornais do dia seguinte. Já explico. O terror de criar um texto que empolgue e agrade aos leitores, quase sempre fiéis e exigentes, já não é problema no meio jornalístico mundial. Uma vez que assunto não falta. Há uma avalanche de acontecimentos que mexem de uma maneira ou de outra, com o cotidiano da população mundo afora.

Não bastassem às crises políticas – e financeira – que assolam o Brasil, os americanos irem às urnas e eleger o boquirroto fanfarrão Donald Trump, os meninos da Chapecoense, juntamente com profissionais da imprensa e dirigentes, nos surpreendem e partem para o paraíso antes do combinado.

Investigações vão esclarecer, mas está se mostrando ser um caso de irresponsabilidade do empresário/piloto de um avião só, Miguel Quiroga, que calculou mal – gambiarra – e culminou com a tragédia e morte de centenas de profissionais jovens e bem sucedidos do esporte brasileiro, enlutando famílias e um país inteiro.

Noves fora esta tragédia, a vida não parou e deputados brasileiros, trabalhadores e produtivos que são não perderam tempo e vararam a madrugada de 30 de novembro de 2016 para votarem as 10 Medidas contra a Corrupção proposta iniciativa popular capitaneada pelo Ministério Público.

Como defunto quando acha quem o carregue aproveita e balança, os deputados aproveitaram o projeto que visava justamente puni-los, corruptos que são em sua maioria, colocaram em apreciação na calada da madrugada e o desfiguraram, retirando artigos que tratavam de temas que lhes eram prejudiciais, como os que criminalizavam enriquecimento ilícito, dificultavam prescrição de crimes e criava a figura do delator do bem.

Não se fazendo de rogados, eles aproveitaram e meteram um chamado contrabando, que é quando enfia na votação um tema alheio ao projeto inicial. E não é que este tema visa justamente PUNIR magistrados e Ministério Público por abuso de autoridade. Ou seja, o projeto que visava combater a corrupção se transformou em uma proposta que dificulta incriminar os corruptos visa intimidar a ação da justiça. Falta-me neste momento adjetivos para me referir às “Vossas Excrescências” que habitam o planalto central.

Para terminar, dois pontos: Falha, mais uma vez, o STF ao demorar uma eternidade em julgar e condenar políticos que têm processos naquela casa, muitos dos quais participaram do ataque a democracia na referida votação. Outra, esperar mudança no atual quadro político-criminoso do Brasil usando os mesmos personagens que o criou é querer que estuprador assuma paternidade do fruto do estupro.

Um congresso mais preocupado em salvar a pele de seus integrantes do que legislar para tirar o país do atoleiro em que se encontram, com deputados usando mais o instinto de sobrevivência do que a capacidade de criar projetos de interesse público poderá contaminar toda a democracia republicana do Brasil, levando a situações imprevisíveis, com choques de poderes, embates sociais e, em última análise a uma crise institucional.

Deus salve o Brasil, por que já tem gente querendo que seja as Forças Armadas a salvar!!!

por Luciano Napoleão

 

arte-dr-luciano-napoleao