Prefeitura repassa subvenção e Hospital de Barroso volta a funcionar normalmente

Representantes do Executivo, Legislativo e funcionários do Hospital Macedo Couto, o Hospital de Barroso, se reuniram na manhã desta sexta-feira (04) para falar sobre o atraso da subvenção e a paralisação parcial dos médicos desde quarta-feira (02).

reuniao-hospital-39Ficou acertado que o repasse será feito ainda nesta sexta e, segundo a gerente administrativa do Hospital, Regina Ferreira, o atendimento estará normalizado hoje (04).

Estiveram presentes na reunião a Prefeitura Eika Oka de Melo (PP), o presidente da Câmara Kiko do Bedeschi (PHS), a secretária de saúde Ednéa Ávila, a secretária de planejamento Elizete Capelupi, o vereador Tonho (PSDB) e o Presidente do Instituto Nossa Senhora do Carmo, padre Fábio José Damasceno, além de funcionários e médicos do Hospital.

 

Atraso e paralisação parcial

A Prefeita explicou que o repasse, que teria que ter sido feito até o dia 31 de outubro, não foi realizado porque ordens judiciais obrigaram o Executivo a gastar com outras coisas, como reuniao-hospital-33compra de remédios e internação em clínicas de reabilitação. “O judiciário repassa para o Executivo responsabilidades que seriam do Estado ou da União. Nós recorremos na justiça, mas enquanto isso não podemos deixar o paciente sem suporte pelo serviço não ser nossa responsabilidade. Nós estamos buscando recursos, cortando no que é possível, mas assim mesmo, com esses gastos que não temos como controlar, o repasse acabou atrasando”, explica.

Além das ordens judicias, a secretária Ednéa explica que o Executivo é obrigado a assumir outras responsabilidades que seriam do Estado. “No caso de transporte de pacientes, por exemplo, não podemos aguardar o Estado, estamos lidando com vidas. Uma viagem para Belo Horizonte custa em média R$10 mil, e pode chegar à R$50 mil para São Paulo, por exemplo”, afirma.

reuniao-hospital-19A gerente Regina Ferreira deixou claro na reunião que o hospital não irá fechar. “A paralisação parcial só aconteceu porque não nos passaram uma previsão de quando o dinheiro seria entregue. O atendimento de urgência e emergência é a responsabilidade do Hospital, mas casos menos graves, podem ser atendidos nos Postos de Saúde dos bairros”, afirma. “Muitas pessoas falam mal do hospital ou da administração nas redes sociais, mas se o hospital não tivesse mesmo uma boa gestão, ele já estaria fechado”, acrescenta.

Repasses 

Segundo a secretária Elizete, de 2002 a 2016, o repasse da Prefeitura para o Hospital cresceu 3.200%, em contrapartida, no mesmo período, a receita líquida do município cresceu só 280%. “Sem novos recursos, a Prefeitura não tem como aumentar o valor repassado”, diz.

Ela explicou ainda que o dinheiro da subvenção é repassado mensalmente ao Hospital. “Tentamos fazer esse repasse até o dia 10 ou 20 do mês, mas o prazo limite para fazer a entrega desse valor é até o último dia de cada mês”, afirma.

Sobre o repasse de novembro e dezembro, a secretária de planejamento não pode dar uma previsão de quando será feito ou se haverá atraso.

 

Comissão

reuniao-hospital-43Médicos presentes na reunião, dr. Carlaile e  dr. Cláudio, cobraram que seja feita uma comissão para ajudar o hospital. “O Instituto sozinho não vai mais conseguir administrar o Hospital. É preciso trabalhar em conjunto com o Legislativo, Executivo, Judiciário, funcionários e população. Alguns dos serviços oferecidos terão que ser cortados, mas o importante é manter o atendimento de urgência em Barroso”, pede o dr. Cláudio.