Prefeito convoca servidores para “protestarem” contra atraso de salários

O Prefeito de Barroso, Reinaldo Fonseca (PSDB), convocou, através de edital, os servidores públicos municipais para um “protesto” que acontecerá em São João del Rei.

Segundo o ato, os servidores municipais da área da educação, estão convocados para comparecerem, dia 1 de agosto (quarta-feira) às 8h e 30m, na Avenida Tancredo Neves, no Centro de São João.

Ainda de acordo com o documento, o ato será em face dos atrasos dos repasses dos recursos financeiros do Governo Estadual referente ao Fundeb (O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

“Precisamos unir forças para que o município não seja prejudicado pela falta de recursos financeiros oriundos do Governo Estadual, estes garantidos pela Constituição Federal, sendo que os principais prejudicados serão os servidores da educação”, diz trecho do documento assinado por Reinaldo.

E mais, no edital fica claro que o não comparecimento do servidor para a reivindicação em São João terá que ter justificativa ao setor correspondente. Possibilidade do não pagamento dos salários dos profissionais da educação, paralisação do transporte escolar e comprometimento do salário de outros servidores estão na pauta de reivindicações.

Ônibus serão disponibilizados para os servidores. Eles sairão em frente à sede da Prefeitura de Barroso, no Centro da cidade à partir das 7h desta quarta.

DORES

Com o apoio do presidente da Câmara Municipal de Dores de Campos, vereador Bal do Carlos Heleno (PT), que antecipou na quarta-feira (25/07) a devolução de R$ 120 mil para os cofres da Prefeitura, os professores da rede municipal de ensino irão receber normalmente o pagamento referente a este mês de julho, mesmo com o constante atraso nos repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (FUNDEB), que atingiu em cheio todas as Prefeitura de Minas Gerais. No caso da Prefeitura dorense, a dívida acumulada com a falta do FUNDEB é de R$ 459.343,89 o que deixaria os professores sem o pagamento.