Foto do menor enviada para o WhatsApp do Barroso EM DIA

O menor maniaco do Elvas, de 16 anos, que depois de assumir o homicídio da jovem Gisele em julho voltou atacar e tentar estuprar uma mulher com um facão, está preso em uma cela especial em São João del Rei.

Chamou a atenção dos policiais nesse novo episódio o fato de o menor ter sido encontrado com uma lista com os nomes de três mulheres, todas moradoras da comunidade. A suspeita é que as pessoas citadas poderiam ser futuras vítimas do rapaz. A informação, no entanto, não consta no boletim de ocorrência. Oficialmente, segundo a tenente Camila Augusta Santos Silva, do 38º Batalhão da PM em São João del Rei, o ataque à dona de casa foi registrado como tentativas de homicídio e de estupro.

A reportagem do Super conversou com outros dois policiais – um militar e um civil – e ambos disseram que a lista com os nomes das vítimas de fato existe. Nenhuma das mulheres teria ligação com o menor, segundo as fontes. Na comunidade de Banquinhos, a informação também circulou. Moradores e comerciantes disseram estar com medo.

Os crimes praticados pelo menor abalaram o clima de segurança e tranquilidade que imperava entre os cerca de 600 moradores da comunidade de Banquinhos. Segundo um policial da região, as mulheres estão apreensivas e evitando sair à noite sozinhas.

“Aqui sempre foi pacato e seguro, agora as coisas começaram a mudar. Está parecendo cidade grande”, lamentou ele, que não quis ter o nome revelado.

Conforme o servidor, a comunidade local exige justiça. “Se esse adolescente for solto novamente, nem sei o que poderá acontecer com ele no distrito. Os moradores agora falam que não têm paz, vivem com medo do que pode acontecer”, afirmou.

Um morador da comunidade lamentou o que chamou de quebra do clima local. “Aqui é uma área rural, mas o clima ficou pesado, muito tenso. Porque todos eram conhecidos, frequentam a mesma escola, as casas dos amigos, as festas de aniversário. Agora todo mundo quer ficar em casa”, comentou, também sob a condição de anonimato.

O CRIME

Armado com facão, um adolescente de 16 anos quebrou o vidro da janela da cozinha e invadiu uma casa onde estavam uma mulher de 30 anos e seus dois filhos, uma menina de 10 anos e um menino de 1, e, por pouco, não estuprou e matou a mãe das crianças. As vítimas conseguiram fugir, mas, antes disso, a mulher teve uma parte da orelha arrancada. Ela ainda sofreu ferimentos na cabeça com o facão.

O caso aconteceu na tarde dessa terça-feira (29), na comunidade de Banquinhos, que pertence ao distrito de Elvas, na zona rural de Tiradentes, no Campo dos Vertentes. O adolescente é o mesmo suspeito de participar da morte de uma garota de 16 anos, no mesmo distrito, no início do mês passado. Na comunidade de Banquinhos moram cerca de 600 pessoas.

Ele confessou envolvimento no caso três dias depois do ocorrido e ficou livre porque não houve flagrante, segundo o juiz da 2ª Vara Criminal de São João del Rei, Ernane Barbosa Neves.

O ataque

No ataque dessa terça-feira (29), a dona de casa, surpreendida na sala da residência, foi salva graças à iniciativa da filha mais velha que fugiu e pediu socorro aos vizinhos. Segundo a tenente, a mulher correu com as crianças para o quarto e se trancou. Teria sido nesse momento que a menina pulou a janela e recebeu o irmão caçula nos braços e pediu ajuda. “Quando a mãe tentou fugir, ele (menor) conseguiu dar a volta na casa e agredi-la”, explicou a tenente. De acordo com a militar, houve luta corporal e o adolescente ainda tentou estuprar a mulher, que, mesmo ferida, conseguiu escapar.

Os vizinhos acionaram a polícia, e o adolescente foi encontrado escondido em um bambuzal. De acordo com o delegado da delegacia da cidade de Tiradentes, responsável pelo caso, Deyvis Andrade Oliveira, o menor está temporariamente em uma cela especial separada dos outros detentos em São João del Rei. “Ele pode ficar nessa cela por 45 dias até quando definirmos para onde ele será levado. Não tem na região um centro socioeducativo. Estamos analisando juntamente com o juiz da Vara da Infância e Juventude para onde ele será internado”, disse. O juiz da 1ª Vara Criminal da Infância e da Juventude de São João Del Rei, Flávio Mondaini, não quis dar entrevista alegando que a investigação tramita sob sigilo.

Impunidade.Segundo a tenente Camila, a falta de lugar para encaminhamento dos adolescentes infratores é um problema na região. “Os menores cometem atos infracionais porque sabem da impunidade”, afirmou.

Cidades. Em Minas Gerais, existem unidades de internação em Belo Horizonte, Divinópolis, Governador Valadares, Ipatinga, Juiz de Fora, Montes Claros, Patos de Minas, Patrocínio, Pirapora, Ribeirão das Neves, Sete Lagoas, Teófilo Otoni, Uberaba, Uberlândia e Unaí.

O Tempo