Justiça colhe depoimentos sobre morte de Pe. Paulo Sabino

A apuração da morte do Padre Paulo Sérgio Sabino, ocorrido em 25 de agosto, está na fase de audiências de instrução e julgamento. O acusado, que confessou a autoria do crime, foi preso em São Paulo com o carro que pertencia à Paróquia onde a vítima atuava. No inquérito policial o jovem é acusado pelo crime de homicídio qualificado. Após a conclusão das investigações pela Polícia Civil, o inquérito foi remetido ao Ministério Público que entendeu que o réu deveria responder por latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. No dia 29 de novembro ocorre a primeira audiência do caso, quando serão ouvidas as testemunhas de acusação. Já a oitiva das testemunhas de defesa será no dia 02 de dezembro, assim como o réu.

A defesa do jovem, feita pelos advogados criminalistas Marcelo Chaves e Paulo Fernando, entrou com um pedido de liberdade provisória, negado pelo Juiz. “É um caso bastante peculiar porque não tem testemunha ocular, há várias teses a serem discutidas no momento oportuno. A defesa está trabalhando com a hipótese de desqualificar essa capitulação que foi feita pelo MP de latrocínio para homicídio e fazer essa discussão acabar aportando no Tribunal do Júri que é o fórum competente para discussão desse processo. Na opinião da defesa o crime foi de homicídio, inclusive confesso”, destacou Marcelo Chaves.

Informações Barbacena Online