Greve dos bancários completa um mês

A greve dos bancários completa 30 dias nesta quarta-feira (5). É a maior paralisação da categoria desde 2004, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Até o dia anterior, a paralisação fechou 13.104 agências e 44 centros administrativos, o que representa 55% do total de agências de todo o Brasil.

Uma nova reunião de negociação foi agendada para esta quarta-feira, em São Paulo.

O dia em que foi registrado o maior número de agências fechadas foi 27 de setembro, quando 13.449 fecharam as portas. Historicamente, a greve mais longa da categoria foi em 1951. Durou 69 dias e resultou na criação do dia dos bancários. Desta vez, a greve entra no seu segundo mês. Os bancos e os bancários não conseguem chegar a um acordo sobre o dissídio da categoria.

Os bancários pedem a reposição da inflação do período mais 5% de aumento real (totalizando 14,78% de reajuste), valorização do piso salarial – no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho) e PLR de três salários mais R$ 8.317,90.

Antes do início da greve, no dia 29 de agosto, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) propôs reajuste de 6,5%. Duas novas propostas foram apresentadas depois do início da paralisação, nos dias 9 e 28 de setembro, de reajuste de 7%. Todas foram rejeitadas pelos bancários, que decidiram manter a greve por tempo indeterminado.

Em Barroso

As três agências bancárias de Barroso aderiram à greve desde o dia 6 de setembro, confira a matéria. Durante o período, os funcionários dos bancos estão auxiliando os clientes nos caixas eletrônicos e, ocasionalmente, é feito o atendimento interno nas agências.

Atendimento

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lembra que os clientes podem utilizar os caixas eletrônicos para agendamento e pagamento de contas (desde que não vencidas), saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.

Nos correspondentes bancários (postos dos Correios, casas lotéricas e supermercados), é possível também pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

Greves anteriores
2011 Duração 21 dias
Reajuste pedido pelos bancários 12,8%
Reajuste conseguido após negociação com os bancos 9%
Inflação do ano anterior 5,91%
2012 Duração 9 dias
Reajuste pedido pelos bancários 10,25%
Reajuste conseguido após negociação com os bancos 7,50%
Inflação do ano anterior 6,5%
2013 Duração 23 dias
Reajuste pedido pelos bancários 11,93%
Reajuste conseguido após negociação com os bancos 8%
Inflação do ano anterior 5,84%
2014 Duração 7 dias
Reajuste pedido pelos bancários 12,5%
Reajuste conseguido após negociação com os bancos 8,5%
Inflação do ano anterior 5,91%
2015 Duração 21 dias
Reajuste pedido pelos bancários 16%
Reajuste conseguido após negociação com os bancos 10%
Inflação do ano anterior 6,41%

 

Informações G1