FESTEBARROSO PODE NÃO ACONTECER EM 2016

O FesteBarroso pode não acontecer na cidade em 2016. Isso porque o festival é realizado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, em que uma empresa tem a dedução do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao patrocinar uma produção cultural inscrita para o benefício. Porém, a Secretaria de Cultura de Minas Gerais anunciou em setembro que não haverá o edital para aprovação de projetos em 2015. A decisão foi tomada porque o teto da Lei Estadual de Incentivo havia atingido o seu limite de R$ 84 milhões, com mais de 1.300 projetos aprovados em 2014, sem alcançar sucesso na captação por falta de recursos. Portanto, o FesteBarroso para 2016 não acontecerá através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

Uma esperança para o festival de teatro pode ser a Lei Federal de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet, que segue os mesmos moldes da lei estadual, assegurando benefícios às empresas e pessoas que aplicarem uma parte do Imposto de Renda (IR) em ações culturais. Segundo a assessoria de comunicação de LafargeHolcim, ainda não existe nenhuma informação sobre o FesteBarroso 2016.

_MG_3897

FESTEBARROSO 2015

Depois de 12 espetáculos, três mil e quatrocentos litros de leite arrecadados e grande público, a 6ª edição do Festival de Teatro da cidade, o FesteBarroso, fechou as cortinas em grande estilo na noite do dia 31 de outubro.

A abertura aconteceu na noite do dia 15 de outubro, na Praça Salvador da Silva, no centro. O Grupo Galpão, de Belo Horizonte, apresentou o espetáculo ‘Sarau – De Tempos Somos’, que foi aberto ao público. Coincidência ou não, na noite de abertura, a Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, o Projeto de Lei do executivo que nomeia o auditório do FAPI como Teatro Municipal Professora Iracema Rocha, onde foram apresentados os outros 11 espetáculos do FesteBarroso. “É uma justa homenagem a uma mulher que dedicou boa parte da sua vida à educação e à cultura do nosso município. Belíssima atitude do executivo”, parabeniza o vereador Eduardo Pinto (PV).

_MG_4093O primeiro espetáculo no palco do recém-nomeado Teatro barrosense foi a comédia, que teve os ingressos esgotados, ‘Comi uma galinha e tô pagando o pato’, com o ator homenageado desta edição, Carlos Nunes, que levou o público às gargalhadas. “Fiquei muito emocionado e feliz de ser homenageado em Barroso. Depois de 35 anos de carreira, você pensa que não vai viver mais muitas emoções. Todo mundo é homenageado depois de morto. Então ganhar uma homenagem em vida é muito gratificante. Muito obrigado, Barroso!”, agradece o ator. Carlos Nunes voltou a subir ao palco no dia 30 de outubro, com o espetáculo ‘Como sobreviver em festas e recepções com buffet escasso’.

Drama, comédia, musical, diversão e cultura encheram as noites dos barrosenses ao longo das apresentações; entre elas, a peça ‘Quando caem as folhas’, voltada para o público infanto-juvenil, do grupo Companhia Fofocas de Teatro. A apresentação dos barrosenses Cláudio Severo e Mariana Barbosa, no dia 29 de outubro, encantou os presentes.

O encerramento do festival ficou por conta do grupo i Molinari camerata musici, com o ‘Concerto [Alchimia]’, em uma belíssima apresentação que aliou ópera, música instrumental e música popular. Ao final da apresentação, um dos organizadores do FesteBarroso, Orlando Orube, foi homenageado e se emocionou. “A gente se emociona porque tudo que a gente planeja de repente funciona. A emoção que te dá é de dever cumprido, de ver que você criou uma coisa que está funcionando”, afirma.

A grande novidade desta edição foram os assentos marcados, ou seja, os ingressos foram numerados e até o início da peça, o espectador teve seu lugar garantido. A princípio, o método gerou filas no ponto de trocas, mas garantiu comodidade para o público na entrega dos espetáculos. “Eu acho que foi nosso melhor ano em termos de produção geral, em termos de equipe. Praticamente 100% de bar-rosenses. Eu fiquei muito feliz, muito satisfeita. Estou muito orgulhosa da equipe”, finaliza a organizadora, Renata Duarte.

O evento foi realizado pela Mbyá, através dos organizadores Orlando Orube e Renata Duarte Dutra, em parceira com a Prefeitura Municipal e com patrocínio da LafargeHolcim, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

CULTURA E SOLIDARIEDADE

Além de cultura e diversão, o FesteBarroso deu um exemplo de solidariedade. As entradas para os espetáculos, como de costume, não foram cobradas em dinheiro, mas em doações de um litro de leite longa vida para 11 instituições barrosenses. Foram arrecadados mais de 3 mil litros na troca de ingressos, que foram entregues às entidade beneficiadas na tarde do dia 23 de outubro, no hall do Teatro Iracema Rocha.

Estiveram presentes na entrega das doações, representantes da LafargeHolcim, principal patrocinador do FesteBarroso, além de representantes das instituições que receberam o leite: Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), Lar Nossa Senhora de Fátima (Asilo), Hospital, Sociedade São Vicente de Paula (SSVP), Centro Espírita “Eurípedes Barsanulfo”, Abrigo Municipal “Lar Feliz”, Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, Pastoral da Criança da Paróquia de Sant’Ana, Pastoral da Família “Paróquia Nossa Senhora do Rosário”, Instituto ABC e Centro Pastoral Social (CEPAS).

_MG_4706

NÚMEROS

Ao longo das últimas cinco edições, o FesteBarroso levou cerca de 30 mil pessoas ao Teatro, exibiu 88 peças e arrecadou 16 mil litros de leite e duas toneladas e 300 gramas de alimentos.