EXPANSÃO: CERCA DE 2 MIL HOMENS A MENOS NA CIDADE

_MG_4515

Cerca de seis meses depois da última reunião, o Conselho da Expansão, criado pelo vereador Eduardo Pinto (PV), para discutir os impactos das obras da Holcim na cidade, realizou mais um encontro entre as autoridades.

Presidido por Jefferson de Paula, o Jefinho, assessor de imprensa da Câmara, a reunião, que durou cerca de uma hora, contou com a participação de representantes do Executivo, das empresas Parex, LafargeHolcim e Mendes Júnior, da Acib e da Polícia Militar, através do Tenente Vigorito.

O encontro foi um pedido do Conselheiro Delvécio Mayrink e tinha como objetivo questionar a empresa Parex sobre as contratações de barrosenses. No entanto, vários outros assuntos foram tratados.

Destaque para o final da obra, de fato, prevista para dezembro. “Podemos afirmar que até janeiro já estaremos com a conclusão da obra e devemos ter, levando em conta o número de funcionários de fora, cerca de 2 mil homens a menos na cidade”, declara Pedro Lluch, vice-presidente do Conselho.

_MG_4511
Reunião da Expansão

Hoje, a Mendes Júnior trabalha com cerca de mil e 700 funcionários, a Parex 300 e a MGR outros 200. Destes, apenas cerca de 20% são barrosenses. O que podemos afirmar que em janeiro próximo, teremos menos 2 mil cidadãos na cidade. Só através da Parex são 36 repúblicas, casas de aluguel com funcionários. O contrato das duas empresas se encerram em dezembro, data prevista para a conclusão da obra.

Mesmo diante dos números finais, o Secretário de Desenvolvimento, Rodrigo Graçano, pediu, em nome do SINE, uma oportunidade e um diálogo maior entre as empresas e a mão de obra do município. Existem inúmeras reclamações com relação a falta de oportunidades para os barrosenses.

Outro ponto negativo está relacionado ao Pronatec, curso básico do governo federal através do Senai e da Secretaria de Assistência Social. Só em Barroso, foram 192 profissionais qualificados no período de 2012 a 2015. Destes, poucos foram aproveitados nas obras da Expansão.

Duas fontes de emprego ainda despertam o interesse das autoridades : a montagem do chamado filtro de manga da LafargeHolcim e a reforma da fábrica atual. Porém, não há previsão para o início dessas obras. No que diz respeito a conclusão das obras, Pedro também assegurou a contratação de cerca de 400 funcionários para a LafargeHolcim, entre empregos diretos e indiretos.

Ainda sobre o número de “homens” a menos na cidade, o Tenente Vigorito afirma que faz sim diferença no que diz respeito a segurança e espera uma tranquilidade maior em janeiro próximo.

_MG_4513