É preciso votar com confiança

Neste domingo a cidade vai às urnas mais uma vez. O clima das eleições deste ano, porém, é bastante diferente. O país acaba de sair de um processo longo e doloroso de impeachment. O Brasil todo está mergulhado em uma grave crise econômica. A crença na política e nos políticos e a confiança nas instituições estão em baixa. Nas capitais do país, as pesquisas já mostram que a quantidade de votos brancos e nulos deve bater recordes históricos. O surgimento de candidatos aventureiros, sem lastro social ou história política, é uma possibilidade real. Nesse cenário, uma grande parcela do eleitorado se sente perdida e vulnerável e, assim, acaba sofrendo todo tipo de chantagem, pressão e oferta de compra de votos vindas daqueles canalhas de sempre, que ainda existem e insistem em povoar a política.

Por mais desanimador que a atual conjuntura possa parecer, porém, toda eleição é também uma ocasião especial e propícia para pensarmos em profundidade sobre a cidade e seu futuro. Em Barroso, são 112 candidatos em busca de votos, 9 deles serão eleitos. O momento é o de avaliar com o máximo de carinho e atenção a biografia, a trajetória, as propostas, os valores e as experiências de cada um deles. É hora de refletir sobre quais deles podem mais, neste momento e para os próximos quatro anos, oferecer o que têm de melhor e melhorar a vida do nosso povo. É muito comum cobrarmos e nos indignarmos com as ações dos políticos, é menos comum nos responsabilizarmos pelas escolhas que fazemos. As eleições são o momento de protagonismo do cidadão, nós vamos estar no comando domingo. Por isso é tão importante refletir e escolher bem.

É bastante provável que não consigamos eliminar todos os canalhas de uma única vez da política. Essa é uma tarefa que levará muito tempo, talvez gerações. Para vencer a guerra, porém, é preciso vencer cada uma das batalhas. Para eliminarmos as figuras nefastas que ameaçam a democracia e que humilham o cidadão ao tentar comprar seu voto, é muito importante que todos nós nos livremos primeiro do desânimo, do medo e da baixa autoestima, que estejamos com o coração aquecido e que confiemos mais na política de verdade. É preciso votar com confiança, olhando para além das nuvens negras do presente anunciadas pela crise e confiando na vitória inexorável de Barroso como uma cidade mais justa e desenvolvida.

 

Por Antônio Claret