Cinco mil estudantes não farão provas do Enem na UFSJ, diz Inep

As universidades federais de Juiz de Fora (UFJF) e de São João del Rei (UFSJ), cujas reitorias estão ocupadas por estudantes, não receberão integralmente candidatos para realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), nos dias 4 e 5 de novembro. Os 5.864 alunos farão uma avaliação equivalente, nos dias 3 e 4 de dezembro. Eles começarão a receber os avisos da mudança na noite desta terça-feira (1º), por mensagens de texto.

Veja lista completa de instituições afetadas pelo adiamento do Enem

Em entrevista coletiva realizada nesta tarde em Brasília (DF), a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, justificou a decisão pelas ocupações dos locais por estudantes, o que poderia interferir na logística do processo. Ela disse que as manifestações são legítimas, mas afetaram a realização da prova.

Na UFJF, em Juiz de Fora, 706 candidatos que fariam as avaliações nos blocos A e D do prédio novo do Instituto de Ciências Humanas (ICH) terão que realizar as provas posteriormente. A Reitoria da UFJF está ocupada desde o dia 26 de outubro.

O mesmo vai acontecer com os 5.158 candidatos que fariam as provas em prédios dos três campus da UFSJ em São João del Rei. Na reitoria de lá, alunos estão acampados desde o dia 23 de outubro.

Segundo Fini, 126 municípios ainda têm escolas ocupadas, representando 304 locais de prova. Em todo o país, 191.494 participantes do Enem foram afetados em 20 estados. O custo para que cada um deles faça a avaliação em dezembro varia entre R$ 72 e R$ 90 para o governo federal.

Os alunos que foram afetados com as mudanças começarão a receber os avisos na noite desta terça, por mensagens de texto. A lista com as escolas ocupadas foi fechada pelo MEC às 14h e, depois deste período, nenhuma instituição que seja desocupada, terá aplicação do exame, ainda de acordo com a presidente do Inep.

 

Informações G1