Causa da mortandade de peixes no Rio das Mortes não é identificada

Depois de mais de um mês desde a constatação da mortandade de peixes no Rio das Mortes, que passa por Barroso, ainda não foram identificadas as causas ou os causadores do fato.

O Barroso EM DIA entrou em contato com a Polícia Militar do Meio Ambiente de Barbacena, que esteve na cidade no dia 2 de setembro e registrou o Boletim de Ocorrência. Segundo o militar ouvido pelo jornal, o caso foi repassado ao Núcleo de Emergência Ambiental de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte, que seria o responsável para vir a Barroso recolher o material para análise. “Eles ficaram de ir no dia seguinte recolher amostras para a investigação, mas não recebemos nenhum contato do Núcleo”, explicou.

A reportagem do Barroso EM DIA entrou em contato com o órgão. Os questionamentos foram respondidos pela Assessoria de Comunicação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), através da jornalista Ângela Almeida. “Pela descrição do Boletim de Ocorrência, não foi possível mensurar a quantidade de peixes mortos, tendo em vista que houve a coleta dos mesmos pela população de forma não autorizada. Além disso, não foi possível obter informações cruciais para a identificação da causa da mortandade de peixes. Ainda segundo o mesmo, a mortandade foi precedida de forte chuva que acometeu o município de Barbacena, localizado a montante de Barroso”, explica.

A assessoria explica que a chuva pode ter sido um dos fatores que contribuiu para a morte dos peixes, mas não é possível precisar o que levou à mortandade, já que não foi analisado nenhum material. “Pode-se inferir que houve uma piora na qualidade das águas do Rio das Mortes após a ocorrência de uma forte chuva, concorrendo para redução nos níveis de oxigênio, variação de temperatura e pH, entre outros. Entretanto, pela ausência de informações suficientes, sobretudo devido à falta de laboratório contratado para realização de coletas e análises de água e peixes que permitam a investigação da causa da mortandade de peixes, não foi possível identificar a causa primária da ocorrência, bem como o seu causador”, justifica Ângela, que ainda afirma que a situação está sendo acompanhada pela Polícia de Meio Ambiente.

 

Reclamações

peixes-reclame-aqui

O caso ganhou destaque também na internet, no grupo “Reclame Aqui”, no Facebook, depois que uma internauta postou fotos dos peixes mortos. Diversos barrosenses se mostraram indignados com a situação e cobraram respostas dos órgãos competentes. “Lamentável essa situação, precisamos de atitudes das autoridades. Será preciso o Rio ‘morrer’ para as autoridades tomar uma providência? Cadê o poder público do município?”, questiona outra internauta nos comentários.

As autoridades pedem a toda a população barrosense que não consuma nenhum peixe provindo do rio ou pratique qualquer atividade de pesca, enquanto as investigações não forem concluídas.