Caminhoneiro lafaietense é acusado de furar bloqueio e é agredido em manifestação

O caminhoneiro lafaietense conhecido como Wesley Bolsonaro foi agredido nessa terça-feira, 29/05, quando passava pela BR-153, em Miranorte, no Tocantins.

Conhecido em Lafaiete por postagens de vídeos polêmicos em redes sociais, com críticas à políticos locais e denúncias da situação de deficiência da administração municipal, Wesley Bolsonaro aparece em um vídeo amplamente divulgado nas redes sociais e que chegou à mídia, sendo interceptado por um grupo aparentemente de caminhoneiros, acusado de tentar furar o bloqueio de paralisação da categoria.

Bolsonaro dirigia uma cegonheira carregada de carros. Ele foi agredido por um dos manifestantes ainda na cabine do veículo. Vários carros foram apedrejados e ficaram danificados.

De acordo com a Sada Transportes, empresa para a qual ele presta serviço, o motorista saiu de Betim na última quinta-feira (24), quando a greve não havia iniciado e havia sido comunicado por grupos de Whatsapp sobre o fim da greve momentos antes, quando passava pela cidade de Paraíso, também no Tocantins.

Em nota à imprensa, a Sada Transportes esclarece que zela pela vida de seus colaboradores e, por isso, orienta-os a evitar qualquer tipo de confronto, e que Wesley Bolsonaro está sendo assistido pela empresa, que determinou que ele fizesse um boletim de ocorrência e se submetesse a um exame de corpo de delito.

O caminhão ainda permanece no Tocantins porque as cegonheiras a serviço do grupo não

Amigos que tiveram contato com Wesley após o episódio dizem que ele está bem
Amigos que tiveram contato com Wesley após o episódio dizem que ele está bem

podem transitar à noite. Nesta quarta-feira, 30, se o veículo tiver condições de trafegar, irá retornar para Minas Gerais, mas, antes disso, passará por vistoria do Corpo de Bombeiros e por uma perícia para avaliação de todos os danos causados pelo ato de vandalismo.

Horas antes de ser agredido, Wesley Bolsonaro gravou vídeo apoiando o movimentos dos caminhoneiros, onde afirmava que estava em Paraíso do Tocantins e se apresentava como um porta-voz do movimento daquela região.

Algumas pessoas saíram em defesa do caminhoneiro lafaietense e dizem esperar que ele se pronuncie explicando o que realmente ocorreu.

Informações Fato Real

Veja o vídeo