Pertence a Prados agora
Os tempos não estão mesmo fáceis. Como se não bastasse toda crise enfrentada na cidade, Barroso pode ter um grande retrocesso. O município estaria prestes a ver o Cartório Eleitoral ser fechado. Ele existe desde 2006. 
 
O chamado Rezoneamento Eleitoral foi determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em junho, com o objetivo de extinguir e remanejar zonas eleitorais do interior dos estados que não atendam a determinados critérios estabelecidos pela Justiça Eleitoral.
 
Na prática, se o Cartório Eleitoral for realmente fechado, significa que a apuração das eleições não serão mais realizadas na cidade, além de processos eleitorais serem remetidos a outra cidade, fazendo com que a juíza da Comarca de Barroso, Valéria Possa Dornellas, e o promotor Pedro Estiguer, deixem de trabalhar com a área eleitoral. A emissão de títulos eleitorais também seria prejudicada. Nos últimos anos a Justiça Eleitoral barrosense se destacou em todo estado por fazer uma das mais rápidas apurações.
 
Por meio da Assessoria de Imprensa, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais esclareceu que ainda não há nenhuma definição sobre o rezoneamento eleitoral em Minas Gerais. O Grupo de Trabalho criado para estudar o assunto está analisando os critérios determinados pelo TSE e as sugestões recebidas por e-mail e durante a audiência pública realizada no dia 14 de julho. Ainda este mês o TRE encaminhará ao TSE a proposta para a execução do rezoneamento em MG, e só então será possível informar quais mudanças poderão ser implantadas.
Em contato com o Cartório de Barroso, através do Chefe de Cartório, Sirley Domingos, o mesmo explicou que ainda foi apresentado o resultado dos trabalhos da comissão sobre o rezoneamento. “Este trabalho foi concluído em 28/07/2017 e foi entregue ao Presidente do TRE/MG e que por sua vez não divulgou nada, ou seja, no momento não podemos afirmar o destino do cartório”, declara Sirley que pede cautela com relação ao assunto. “Em julho, estivemos presentes e apresentamos um bom trabalho sobre a necessidade e a competência do Cartório de Barroso. Portanto, vamos aguardar o resultado”, explica.
A notícia da possibilidade de fechar o cartório veio através da divulgação em plenário pelo Presidente da Câmara Municipal, Baldonedo Napoleão (PSDB), porém, a equipe do Cartório de Barroso já havia tomado, em julho, as providências necessárias para que Barroso não seja afetado neste rezoneamento.
O Presidente, vereador Baldonedo Artur Napoleão, baixou uma portaria criando uma Comissão Especial para acompanhar o processo de rezoneamento eleitoral e tentar impedir o retrocesso. Além do próprio Presidente, fazem parte da Comissão, os vereadores Állan Campos (PSDB) e Eduardo Pinto (PV).