Barrosenses correm para os postos. Gasolina está acabando!

No começo da tarde desta quarta-feira (23), os barrosenses aceleraram para os postos de combustíveis da cidade. Enormes filas de se formaram na Rua Ladislau Magalhães, mais conhecida como Rua da Lagoa, no Centro da cidade, e, na Avenida Genésio Graçano, na entrada do município.

São dezenas de veículos em busca dos últimos litros de combustíveis. “Vim abastecer porque terei que viajar neste fim de semana. Como não há previsão de fim da greve dos caminhoneiros, resolvi vir agora”, declara Celio Silva, morador do Centro.

Em alguns postos, como o do Mendonça, na Rua da Lagoa, á gasolina já acabou. Resta somente diesel. Vale ressaltar que três, dos cinco postos existentes no município, aumentaram o preço da gasolina nesta terça-feira (22). De R$4.67, na segunda-feira (21), para R$4.78. Em um outro posto da BR, á gasolina está sendo vendida a R$4, 88 o litro. No Posto 358, na BR 265, á gasolina também já acabou.

“Na França, quando houve um atentado em uma boate, todo mundo se lembra, os taxistas

Rua da Lagoa
Rua da Lagoa

fizeram corrida de graça no país. Aqui, quando tivemos o problema com a barragem em Mariana e faltou água potável na região, os comerciantes aumentaram o valor da água. Agora, aqui em Barroso, diante da falta de gasolina, também percebi a mesma coisa, ou seja,  aumentaram. Triste Isso!”, e-mail de um leitor para o Barroso EM DIA, sem identificação.

Veja abaixo algumas fotos das filas nos postos.

CIDADES VIZINHAS

São João del Rei, Barbacena e Dores de Campos também vivem o mesmo dilema, ou seja, a população levando seus veículos para serem abastecidos nos postos de combustíveis. Em alguns postos a gasolina já acabou.

TREVO DE BARROSO

No trevo, BR 265, continua a Greve dos Caminhoneiros, na cidade de Barroso. Segundo informações dos líderes da greve uma barraca do Corpo de Bombeiros, com vacina, atendimento e medicamentos, foi montada no Trevo.

A população também vem dando apoio aos caminhoneiros com alimentação e roupas de frio. Um cadastro é feito em uma barraca no canteiro central onde os caminhoneiros visitantes passam dados pessoais que são armazenados e servem para distribuição de comida e utensílios de higiene.

Veja, clicando aqui, um vídeo sobre a situação no Trevo da cidade. Clique aqui