Dia 10 de julho de 2017, seria apenas mais uma manhã de uma segunda-feira tranquila na cidade de Santa Margarida, interior de Minas Gerais, a cerca de 250 km de Belo Horizonte, com aproximadamente 16 mil habitantes, se não fosse a ação de uma quadrilha especializada em roubo de bancos. Na ocasião, oito homens fortemente armados com fuzis, depois de uma tentativa de assalto às agências do Banco do Brasil e da Sicoob, mataram dois homens, um vigilante, Leonardo José Mendes, que mesmo se rendendo foi baleado, e um policial militar, o cabo Marcos Marques da Silva, de 36 anos, que foi atingido na cabeça e morreu na hora. No desfecho trágico, os bandidos acabaram presos depois de uma fuga para a zona rural da região.

Tragédias e situações que têm se tornado cada vez mais frequentes nas cidades do interior. Longe dos grandes centros, quadrilhas especializadas procuram cidades com pouco policiamento e com segurança particular vulnerável. Os bandidos escolhem cidades pequenas e agem de maneira parecida: eles usam explosivos para facilitar o furto e agem durante a madrugada, quando o movimento é menor. “Cidade pequena, madrugada, não tem ninguém na rua, facilita a ação dos bandidos. Então eles procuram isso. E nos bancos, nos caixas eletrônicos, mesmo em cidades pequenas, têm quantias consideráveis de dinheiro“, afirma um delegado.

E mais uma cidade, a pacata Antônio Carlos, seria alvo dos bandidos que foram presos em uma Operação da Polícia Civil de Barbacena, com o apoio da Polícia Militar da região. No fim da tarde do sábado (29), a Polícia agiu e a Operação resultou na apreensão de material para explosivo, car-ro furtado e uma arma no bairro Jardim Bandeirantes. De acordo com informações, dois integrantes de uma quadrilha de São Paulo, juntamente com um homem de Antônio Carlos, planejavam um assalto a uma agência bancária na cidade que fica a cerca de 35km de Barroso.
Durante a diligência, policiais chegaram ao local apontado pelas denúncias e abordaram o cidadão, J.G.M, de 26 anos, que recebeu voz de prisão em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Contudo, o alvo principal do mandado e os demais integrantes do grupo que planejava o as-salto não foram localizados. Já em um segundo mandado de busca e apreensão no bairro Jardim Bandeirantes, que teve algumas ruas fechadas pela Polícia, foram localizados os cidadãos A.P.F e W.M.N., junto a um veículo preto VW/GOL, o qual constava no sistema da PM como produto de furto/roubo em Barbacena. Dentro do automóvel, foram encontrados diversos “miguelitos”, cordel detonante e maçarico, objetos comumente utilizados em explosões a caixas eletrônicos, além de uma barra de substância análoga à maco-nha. Questionados acerca do carro que se encontrava estacionado naquela garagem com a ignição estourada, os autores nada quiseram dizer. Diante do exposto, foi dada voz de prisão em flagrante delito aos autores, sendo os mesmos conduzidos à Delegacia de Polícia de Barbacena, juntamente com o material e o veículo apreendidos.
ANTÔNIO CARLOS

A Polícia Civil de Barbacena confirmou à reportagem que o alvo da quadrilha seria a cidade de Antônio Carlos, a cerca de 40 minutos de Bar-roso e com uma população estimada em 11 mil habitantes.

O plano, segundo informações repassadas pela assessoria de imprensa, era agir na madrugada de sábado para domingo (30). Com o material encontrado era perceptível que, além do alvo ser um caixa eletrônico, o objetivo era, logo após a efetuação do crime, atear fogo no carro usado para a ação.

A Polícia Militar de Antônio Carlos, através do seu Comando da cidade, não quis informar à reportagem o número do efetivo militar existente hoje na cidade.
Denúncias podem ser feitas através do número 181 e seu nome será mantido em sigilo pela PM.