Alunos da UFSJ aprovam greve estudantil contra PEC do Teto de Gastos

Estudantes da Universidade Federal de São João del Rei decidiram, com 1471 votos favoráveis, 234 votos contrários e 27 abstenções, deflagrar greve estudantil da instituição. A decisão foi tomada na terça-feira (08), em Assembleia Geral dos Estudantes (AGE).

greve-estudantil-ufsj2O movimento estudantil que ocupa a reitoria no campus Santo Antônio, o Ocupa UFSJ, a assembleia reuniu 1732 estudantes dos 28 cursos da sede para a votação da greve geral, no estacionamento do Campus. “Os cursos que deflagraram a greve e os estudantes que estão participando da ocupação tem por objetivo garantir a continuidade da paralisação contra a PEC 55 (anteriormente 241), a Reforma do Ensino Médio e o corte das bolsas CNPQ. A votação começou depois da apresentação de repasses e falas dos delegados do DCE. Somente os estudantes que assinaram a lista de presença para participar tiveram seu voto legitimado”, explicou em nota no facebook.

Posição da UFSJ

A Universidade divulgou uma carta de apoio aos estudantes e técnicos em greve na instituição. Confira na íntegra:

Carta à Comunidade Acadêmica

No último dia 24 de outubro, o Conselho Universitário da Universidade Federal de São João del-Rei manifestou publicamente sua apreensão para com a Proposta de Emenda Constitucional 241/2016 (agora 55/2016) do Governo Federal.

Por meio desta, mantemos nosso posicionamento solidário a todos aqueles que “se mostram preocupados com a ameaça da limitação dos investimentos públicos nos setores mais vitais para a sociedade brasileira”, em especial em relação aos serviços básicos de educação e saúde, ainda mais quando esses são os discentes da nossa própria instituição de educação.

O Conselho Universitário da UFSJ manifesta, portanto, seu apoio aos discentes e aos técnicos-administrativos em greve desta Instituição e reitera seu respeito às atividades grevistas determinadas em cada núcleo discente a partir da data quando foram deliberadas em meio a seus pares. Nessa perspectiva, compreendemos que é essencial que os docentes mantenham o diálogo com seus discentes a respeito das atividades letivas considerando o período de greve.

Mantemos nosso posicionamento de que “a Universidade Federal de São João del-Rei corre o risco de ter que restringir seu papel de relevância na inclusão social de seus estudantes, assegurado pela formação universitária gratuita e de qualidade”, e compreendemos, portanto, que é legítima a greve dos discentes, assim como as ocupações.

Reiteramos nossa compreensão em relação ao momento recessivo em que se encontra o País e o imperativo do equilíbrio das finanças públicas, mas não podemos aceitar que a condição imposta pela PEC 241 para a retomada do crescimento seja a do sacrifício dos serviços básicos para a população brasileira. E, nesse sentido, posicionamo-nos em favor daqueles que serão os mais prejudicados por esta medida, entre eles os discentes da nossa própria Instituição.

 

Ocupações

Segundo a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), já são mais de 1 mil instituições de ensino ocupadas em todo o país em protesto contra a PEC do Teto de Gastos e a reforma do ensino médio.

Por causa das ocupações, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) adiou a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nestes locais. Em São João del Rei, o exame foi adiado nos três campus da UFSJ, mesmo que só um deles estivesse ocupado.

 

Fotos do facebook Ocupa UFSJ