O gol de placa da atual administração pública do município acabou saindo fora das quatro linhas, longe dos gramados e quadras. Com o resgate da tradicional Cor rida de Sant´Ana, por onde grandes nomes do atletismo nacional já passaram, o governo Reinaldo Fonseca (PSDB) acertou em cheio ao investir na prova que tem cerca de 30 anos de história.

A profissionalização do evento, com a adesão ao Corridão, sistema informatizado e atualizado no que diz respeito à tecnologia, a pasta, hoje comandada por Rosimauro Fonseca, conhecido como Maurinho, contribuiu, junto com alguns desportistas como Celso Bike, para que a corrida rústica pudesse voltar a ser uma das mais requisitadas do interior do estado.

Aliás, no que tange ao esporte, mesmo acumulando funções, já que atualmente o secretário também responde pela administração do município, a secretaria vem cumprindo à risca o que foi oferecido à população no seu plano de governo. Desde as novas competições esportivas implementadas no calendário anual do esporte até o apoio aos atletas, pelo menos com relação ao transporte, a nova administração pública tem todo o nosso respeito e reconhecimento. O que vimos na manhã da Corrida, com o envolvimento de funcionários públicos, de todas as áreas da Prefeitura, é algo digno de aplausos. Um verdadeiro time em campo para que uma competição fosse realizada na sua mais perfeita harmonia. E não poderia ser diferente.

O apoio ao esporte pelo poder público tem que ser contínuo e duradouro. E por quê? Porque hoje Barroso vive, apesar dos inúmeros casos de internações e grande envolvimento de jovens com drogas, um momento positivo no cenário esportivo. Das piscinas, passando pelas quadras até os tatames, a cidade vivencia uma onda profícua em quase todas as modalidades esportivas.

De cerca de 10 anos para cá, grandes nomes despontaram no âmbito esportivo. São talentos e mais talentos que, seja através do apoio do poder público ou de sua vontade e esforço próprios, despontaram para as manchetes cada vez mais vitoriosos.

Assim, diante de tanta riqueza, fica impossível virar as costas para os talentos em um município. Não seria nenhum exagero afirmar que hoje não somos a cidade do cimento, mas a cidade do esporte. Se ainda temos muito o que aprender e realizar, seria desrespeitoso da nossa parte, como meio de comunicação que assina esporte como carro-chefe da sua linha editorial, não reconhecer que a cidade é um celeiro de esportistas e desportistas. Isso tudo sem levar em conta um potencial que há anos, desde sua criação, não soubemos explorar.

Nos referimos ao Gigante da Região, o Ceclans, que foi construído para ser um Centro Esportivo e, infelizmente, nunca conseguiu ser este referencial e revelar um talento que seja. Portanto, é preciso nos atentarmos para isso. Se hoje vivemos essa onda positiva, e temos grandes nomes envolvidos no esporte, é preciso que aproveitemos a onda e saibamos surfar, mesmo sem praias, nessa maré de potencial que pode e deve ser mais explorada.

Por fim, antes que os críticos corram para o TSF, o Tribunal Superior do Facebook, salientamos que entendemos que existem outras prioridades na cidade, como emprego e saúde, mas que também não viremos as costas para as oportunidades até porque, como diria um autor desconhecido: quanto mais quadras e campos construírmos, menos presídios teremos.

por Bruno Ferreira